A Portaria Nº 77, de 11 de novembro de 2020 veio trazer algumas modificações na norma OEA (Operador Econômico Autorizado), mas e agora?

 

O que irá mudar na OEA-Segurança?

Escrito por Ana Maria Kalinke
Consultoria e Auditora Líder ISO 28000 e OEA

 

Como todos sabem, a PORTARIA Nº 77, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2020 veio trazer algumas modificações na norma OEA, reforçando os esforços da Receita Federal em manter a mesma atualizada de acordo com a visualização de melhorias no sistema. 

Neste texto falarei apenas da OEA-Segurança e em especial os procedimentos operacionais com maiores modificações, sem mencionar os critérios de elegibilidade. Na nova atualização, foi possível notar uma maior semelhança com a ISO 28000 – Sistema de Gestão Segurança da Cadeia Logística, que apesar de serem muito similares apresentam diferenças documentais de formalização de processos ligados a gestão e não diretamente a segurança, algo que já foi possível perceber na última atualização em que ela traz a Gestão de Riscos com base na ISO 31000. 

 

OEA-Segurança

 

Como assim?

 

Na versão de Maio/2020 do guia de implementação, questões relacionadas a contratação de cargos sensíveis exigia a verificação do histórico do colaborador e monitoramento do mesmo, com a nova portaria, também será exigido que o funcionário apresente experiência e/ou qualificação na área (requisito 3.7.2.1), com especificação na descrição de cargos que o mesmo é um cargo sensível, algo que antes poderia ser apontado apenas em um fluxograma ou em um procedimento padrão. 

Ao trazer a descrição de cargos para a norma OEA, trazemos as raízes da ISO quando falamos da qualificação profissional. Esse ponto traz diversos benefícios para a empresa em relação a elevar seu grau de cuidado no recrutamento e seleção, mas pode gerar conflito quando falamos de cargos terceirizados nas operações. A nova modificação traz no item 1.4 um requisito tratando especificamente desses terceiros e da sua clara evidência como Unidade Operacional.  

Dessa forma, esperase que os critérios de monitoramento desses parceiros seja mais rigoroso ou exija novas cláusulas contratuais, gerando mais um link com o ISO, quando falamos de monitoramento de terceiros e avaliação de fornecedores que apresentam relação direta com as operações. 

Para além, outro item que apresentou modificações, foi a parte de qualidade documental, em que a norma solicita a especificação dos responsáveis pela verificação da documentação e informações de interesse aduaneiro, algo que antes ficava sujeito a interpretação, no entanto, caso a empresa não o fizesse, era cobrada uma correção no procedimento operacional e registros 

Para quem conhece a norma em suas outras versões, consegue perceber que os pontos modificados sugerem uma melhoria para na interpretação da norma pela empresa que está implementando, ela busca especificar suas exigências. A norma está evoluindo conforme os auditores percebem padrões de solicitações de correções ou sensibilidade na segurança, algo a ser elogiado, uma vez que as novas alterações trouxeram melhorias para questões de vulnerabilidade direcionada. 

Em questões de estrutura das instalações, ela surge com um ponto relevante, a preocupação com o tipo de material e técnica empregada na construção das barreiras e instalação dos dispositivos de segurança, uma vez que esta poderá deixar mais seguro ou vulnerável a entrada de pessoas sem autorização ou ao desgaste/troca constantes de dispositivos com recorrência de manutenções e afins. 

Por fim, foi possível perceber que as alterações trazidas pela portaria surgiram para sanar dúvidas e melhorar a interpretação do requisito em relação as intenções de segurança por trás deles.

Para além, elas apresentaram uma correspondência com as normativas ISO, melhorando a integração das certificações para as empresas que possuem um Sistema de Gestão Integrado. Sendo visto com bons olhos pela consultoria e principalmente com os colaboradores no tocante interpretação dos requisitos e objetivos da certificação. 

Estar atento as modificações e informativos da Receita Federal é fundamentar para ter um sistema funcionando e realmente seguro, na I9, prezamos sempre pelos treinamentos internos e discussões sobre alterações e interpretações da OEA, caso tenham alguma dúvida em relação essas modificações, contate nos, nós podemos te ajudar.

 

Solicite uma proposta

Ainda em dúvida de nos contratar para implementar OEA em sua empresa?

 Confira nossos Cases de Sucesso na Implementação da Norma OEA e ISO 28000

 

Translate »
×
Entre em contato conosco!