Por que a Prevenção de Acidentes de Trabalho e Doenças Ocupacionais no Brasil Falham?

Escrito por Sandro Sabino
Consultor e Auditor I9 Consultoria

 

A Segurança no Meio Ambiente de Trabalho tem encontrado grande repercussão no mundo do trabalho nos dias atuais, devido aos elevados índices de acidentes de trabalho e doenças, consequências de ambientes inseguros e insalubres, causando grandes impactos econômicos e sociais.

As organizações em busca da garantia de um ambiente saudável e seguro, tem buscado os melhores programas, tecnologias e sistemas de gestão para gerenciar seus riscos. No entanto, para o sucesso na prevenção, não basta somente investimentos, é necessário, entender um pouco de cultura de Saúde e Segurança, para melhor direcionar os recursos.

Antes da organização fazer qualquer investimento em Segurança e Saúde Ocupacional (SSO), precisa entender o porquê no Brasil existem tantas regulamentações para proteger a saúde e integridade física do trabalhador e ao mesmo tempo, sermos o País nos índices de acidentes de trabalho no mundo, registrados pela OIT.

Será uma questão de falta de regulamentações para serem seguidas? Falta de investimentos? Falta de Treinamentos? Falta de Procedimentos? tudo isso é importante, porém, neste contexto existem as pessoas que executam os trabalhos, as que planejam, as que fazem a gestão e fiscalizam…e estas devem atuar dentro de uma cultura em que a prevenção faz parte integrante do negócio da empresa e de seus processos.

Para entender um pouco de cultura de SSO e compreender porque segurança no trabalho não funciona na maioria das organizações, segue resumo das conclusões do Pesquisador João Cândido de Oliveira que por 30 anos realizou estudos em SSO nas empresas.

O pesquisador chegou à conclusão que dependendo da cultura da empresa, esta atua em estágios que definem o grau de eficiência de suas ações em segurança e saúde do trabalhador, o qual apresentamos a seguir:

1° Estágio: Empresa com ausência de responsável pela condução das ações de segurança e saúde do trabalhador, esforço voltado para a solução de problemas já instalados, urgências, improvisações e enfoque nos acidentes e não na prevenção. Este tipo de empresa, até faz investimentos em SSO porém sem obter os resultados esperados.

 2° Estágio: Empresa em que faz dissociação das questões de SSO dos processos de trabalho, ou seja, pouco compromisso das gerências (Supervisores) com as questões de SSO.  Tudo fica centralizado no SESMT, todas as atividades relacionadas com SSO são de total responsabilidade do SESMT.  Já está empresa, atua em um nível um pouco mais elevado, porém não consegue também muito sucesso na prevenção, pois o SESMT composto por técnicos de segurança, engenheiros de segurança, médicos do trabalho, enfermagem do trabalho não conseguem realizar muitas ações para atingir todas as pessoas da empresa e ficam sobrecarregados com atividades, sem ainda um resultado eficiente em prevenção.

3° Estágio: Empresa que faz Inclusão das ações de SSO nos processos de trabalho e a transformação dos gerentes em responsáveis diretos por sua condução. Os gestores passam a assumir responsabilidades de SSO. Neste estágio já fica um pouco mais fácil de conseguir os resultados esperados, porém ainda necessitam de respaldo da alta direção para o sucesso tão alvejado que é ter um ambiente saudável e seguro, livre os acidentes e de ambientes insalubres.

4° Estágio: Empresa com envolvimento direto e incisivo da alta direção da organização nas questões de SSO. Tem uma Política sólida e um Sistema de Gestão implementado e mantido. Segurança faz parte integrante do negócio.

Quando se alcança este estágio na empresa, o acidente pode até acontecer, mas será um acidente de percurso, não causado por falta de ações consistentes e eficientes, pois há uma pacto assumido desde a alta direção e se estende em todos os níveis da organização.

Segurança faz parte de todos os processos da empresa, desde a compra de um material/Insumo, a realização de uma projeto novo na empresa, passando pela forma que cada pessoa trata a segurança em cada atividade na empresa.

Todas as questões de segurança e saúde ocupacional são consideradas em qualquer tomada de decisão, pois faz parte do negócio proteger a vida e a integridade das pessoas.

Somente a partir do 3° e 4° estágio, a organização consegue bom desempenho nas questões de SSO.

Para trabalhar a cultura nas organizações, é necessário todo um trabalho iniciando por uma política abrangendo todos os níveis (Áreas/Cargos/Pessoas).   Para aplicar essa Política é necessário aplicar Gestão de SSO, que envolve a mudança de hábitos e o modo como as pessoas veem a segurança no trabalho.

O Grande desafio de qualquer organização é fazer com que o nível de atuação seja o nível de estágio  4°.  Conseguindo isso, consequentemente os resultados de SSO serão atingidos. Fica a dica para se ter a efetividade da prevenção tão sonhada nas organizações.

×
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Twitter
YouTube
LinkedIn
Instagram
Entre em contato conosco!